top of page
  • Foto do escritorDr. Luiz Fragetti | Cliesp Vacinas

VACINAS & PREMATUROS




Prematuridade é definida como o recém-nascido pré-termo, ou nascido antes de completar 37 semanas de gestação. No Brasil, o nascimento prematuro tem aumentado, chegando a 11% dos nascimentos, divididos entre bebês que nascem entre 34 a 37 semanas (pré-termos tardios), entre 30 e 34 semanas (pré-termos moderados) e os com menos de 30 semanas (pré-termos extremos).

Os recém-nascidos prematuros apresentam uma quantidade de anticorpos circulantes menor que a dos nascidos a termo, porque a transmissão de anticorpos da mãe, via placenta, é maior no terceiro e último trimestre de gestação.

Por essa razão, não se deve adiar a vacinação em prematuros que estejam clinicamente estáveis. As vacinas controlam e previnem contra doenças infecciosas, salvando vidas e a vacinação dos bebês prematuros é extremamente importante porque estes bebês têm um sistema imunológico imaturo e são mais suscetíveis a desenvolver complicações graves por doenças infecciosas. No entanto, observa-se que a vacinação destes prematuros acontece de forma tardia por motivos envolvendo as complicações relacionadas à prematuridade e devido à falta de conhecimento dos pais sobre a segurança e eficácia das vacinas em recém-nascidos prematuros, respeitando-se o fato de que as vacinas para prematuros sejam administradas de acordo com a idade corrigida, que é a idade que teriam se tivessem nascido a termo. Importa, portanto, educar sobre a importância da vacinação de prematuros.

Proteção contra doenças graves: quanto menor a idade gestacional do bebê, menor é o desenvolvimento do sistema imunológico. Assim, bebês prematuros têm maior risco de infecções graves, como pneumonia, meningite, sepse e bronquiolite. A vacinação protege eficazmente contra muitas destas doenças, prevenindo complicações graves e reduzindo a morbimortalidade.

Reforço do sistema imunitário: o sistema imunológico do recém-nascido possui uma capacidade reduzida em gerar respostas imunes pela falta da maturidade, estes bebês prematuros podem ter menor capacidade para combater infecções. As vacinas ajudam a estimular e fortalecer o sistema imune, proporcionando proteção adicional contra doenças infecciosas.

Proteção dos contatos próximos: Ao vacinar os prematuros, também se protege pessoas que os rodeiam, como familiares e profissionais de saúde, prevenindo a transmissão de doenças infecciosas aos contactantes.

Prevenção de hospitalizações e complicações: A vacinação de prematuros ajuda a prevenir doenças que exigem internação e tratamento intensivo.

Contribuição para a imunidade coletiva: Ao vacinar pacientes prematuros, contribui-se para a imunidade coletiva na comunidade.

O esquema de vacinação para prematuros pode variar de acordo com o país, as diretrizes de saúde e a idade corrigida do bebê.

A visão geral de esquema de vacinação recomendado para prematuros:

Vacina contra hepatite B: A primeira dose da vacina contra hepatite B é administrada logo após o nascimento, independentemente de a criança ser prematura ou não. As doses subsequentes são administradas de acordo com o calendário de vacinação recomendado.

Vacina contra difteria, tétano e coqueluche (DTP): O esquema de vacinação contra DTP é geralmente iniciado aos 2 meses de idade. São administradas várias doses da vacina em intervalos específicos, como aos 2, 4 e 6 meses de idade, a critério médico utilizando a idade corrigida.

Vacina contra Haemophilus influenzae tipo b (Hib): A vacinação contra o Hib geralmente começa aos 2 meses de idade e são administradas várias doses, como aos 2, 4 e 6 meses de idade, a critério médico utilizando a idade corrigida.

Vacina pneumocócica conjugada: A vacinação contra o pneumococo geralmente começa aos 2 meses de idade e são administradas várias doses, como aos 2, 4 e 6 meses de idade, a critério médico utilizando a idade corrigida.

Vacina contra poliomielite (VIP): A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) orienta que a VIP seja a vacina de preferência na administração de todas as doses. A primeira dose da vacina contra poliomielite é administrada aos 2 meses de idade e às subsequentes são administradas em intervalos como aos 4 e 6 meses de idade.

O calendário de vacinação completo pode incluir outras vacinas, como as contra rotavírus, meningite, hepatite A e influenza.

É essencial consultar o médico especialista em neonatologia ou pediatria, são os que fornecem orientações e indicações específicas sobre o esquema vacinal adequado para estes bebês.

4 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page